Português English
FILME: À Margem do Concreto (Co-Produtora)
Mocarzel retoma olhar em "À margem"
30 de outubro de 2011   http://tinyurl.com/ddd
24.11.2005
A tetralogia de Evaldo Mocarzel sobre a cidade à margem de São Paulo surgiu em 2003 nas filmagens de À MARGEM DA IMAGEM, seu primeiro documentário em longa-metragem. Entrevistados à época pelo diretor, catadores de papel e sem-teto preferiram não aparecer no filme. Argumentaram que a sua realidade era específica e diferente da dos moradores de rua retratados naquele primeiro filme, e que merecia um documentário só para eles.

 

Mocarzel, que discutia ali justamente a estetização da miséria e "o roubo da imagem" de quem vive a exclusão social, anuiu, e assim vieram os projetos de "À Margem do Lixo", "À Margem do Consumo" e "À Margem do Concreto" - este será exibido hoje à noite na mostra competitiva do 38º Festival de Brasília.

 

No filme, rodado em nove dias, e extraído de 140 horas de material bruto, Mocarzel continua investigando o que chama de "estratégias de sobrevivência" dos que estão à margem da capital paulista, desta vez com foco nos movimentos de moradia.
O longa tem quatro blocos: no primeiro são apresentadas as ocupações organizadas e seis de seus principais líderes, como Gegê, do Movimento de Moradia do Centro (MMC) e irmão do cantor Chico César, e Verônica Kroll, do Fórum dos Cortiços, responsável pela ocupação do antigo hotel São Paulo, no Vale do Anhangabaú, um prédio de 22 andares.

 

"O socialismo não morreu. Prova disso são essas pessoas que enfrentam a polícia, resistem e adquirem direito de posse para famílias carentes", ressalta Mocarzel, tirando dados da manga.

 

"Somente na área da praça da República, em São Paulo, há uma taxa de desocupação de imóveis que chega a 30%. É natural que estas famílias queiram ir para lá, por causa do trabalho, porque o trânsito na cidade é caótico, porque gastam muito dinheiro com transporte. E a Constituição fala do direito à moradia."

 

No segundo bloco do documentário, Mocarzel mostra a rotina nos "condomínios improvisados", com regras de convivência, rateio de contas, revezamento na limpeza etc.
O terceiro acompanha o trabalho destes moradores do lado de fora dos prédios ocupados, gente que engrossa as estatísticas de trabalho informal ou subemprego.

 

E o último bloco do documentário revela como funciona uma ação de ocupação, da pressão pelo contingente - famílias que não vão ficar lá acabam participando por solidariedade - à pressão política, que envolve instituições religiosas e a mídia.
"Nós acompanhamos desde as reuniões clandestinas até a ocupação em si", conta o diretor. Mocarzel ressalta o impacto do desfecho de seu documentário, que mostra a reação da Polícia Militar, que retira e dissipa os sem-teto com bombas de gás lacrimogêneo e afins.
Eduardo Simões para a Folha de São Paulo 
http://goo.gl/T6CFOO
 
Endereço Av. Dr. Vieira de Carvalho, 192 / 101 -  República - CEP 01210-010 - São Paulo - Brasil Telefone +55 11 3031.5522  E-mail super@superfilmes.com.br