Português English
FILME: Obra
O lançamento de OBRA no Correio Braziliense
14 de agosto de 2015


Mal-estar urbano



Por Anna Beatriz Lisboa


câmera parada e a fotografia em preto e branco revelam uma São Paulo melancólica e solitária em Obra, filme que estreia nesta quinta-feira. Em planos compostos com rigor, o diretor Gregório Graziosi encontra os vazios que se escondem por trás da fachada barulhenta da metrópole. “Conversando com você agora, estou olhando a vista do meu apartamento. Tem uma espécie de muro, 180 graus só de prédios, e eu não estou vendo pessoas, mas consigo escutá- las”, diz Graziosi, em entrevista ao Correio, por telefone. “O som de São Paulo acaba sendo tão violento quanto o visual.Você vivencia a cidade e a escuta vibrar, mesmo que não vejamovimento.” Em seu primeiro longa-metragem, o cineasta paulistano dirige Irandhir Santos no papel de um arquiteto que descobre um cemitério no campo de obras em um terreno de sua família. Júlio Andrade, a britânica Lola Peploe e Marku Ribas, em seu último papelnocinema,completam o elenco. O filme foi o único representante brasileiro no Festival de Toronto, no ano passado, e expande o estudo de espaços que Graziosi vinha fazendo em curtas como Monumento (2012) e Saba (2007), que circularam pelos festivais de Locarno e Cannes, respectivamente. Formado em artes plásticas, Graziosi seinspirou na relação entre personagem e espaços vazios representada por pintores como o americano Edward Hopper e o dinamarquêsVilhelm Hammershoi, além do trabalho do cineasta italiano Michelangelo Antonioni, que usava linguagem minimalista e apuroplásticopara tratardoisolamento e daincomunicabilidade de seus protagonistas em ambientes urbanos.“A partir do interesse por essesartistas,chegueiaessaestética doObra. É um filme que quase não temmovimentos de câmera e isso muda a percepção do tempo e dos espaços.Você tem uma contempla- ção da imagem diferente de quandoacâmera estásemexendo.”


Inspiração modernista

Essa São Paulo vazia de pessoas, quase abstrata em sua representação demoderna urbanidade, aproxima-se, de maneira inesperada, do espírito da capital federal. “O filme tem a ver com esseimaginário de Brasília: é como se fugisse da realidade para um universo quase de ficção científica, metafí- sico”, compara o diretor. A arquitetura de Oscar Niemeyer não só é inspiração para o diretor, mas aparece com protagonismo no filme: em um dos cartazes, a escadaria dos fundos do Edifício Copan forma a coluna vertebral do personagem de Irandhir Santos. O protagonista, aliás, chama-se João Carlos Ribeiro de Almeida Neto em homenagem a dois arquitetos importantes para o diretor: seu pai, que lhe empresta o primeiro nome, e Niemeyer, cujo sobrenome do meio é Ribeiro de Almeida.

Com diálogo pontual, o cineasta faz a narrativa nascer a partir das imagens, que estavam presentes antes mesmo das palavras do roteiro. “Eu desenho as cenas, então a relação entre narrativa e espaço é anterior à escrita, está na essência do trabalho. Fiquei surpreso, porque, relacionando as imagens finais e meus rascunhos feitos quase um ano antes, o resultado é muito parecido.” E o desenho foi uma linguagem comum encontrada entre Graziosi e Santos para desenvolver o protagonista que se refugia em silêncio. “Uma coisa interessante que aconteceu durante esse processo de criação entre ator e diretor é que nós dois estávamos desenhando: eu desenhava para enxergar as cenas, e ele para conseguir criar o personagem”, lembra. “Vimos que sempre carregávamos o caderninho – algo que normalmente os arquitetos fazem –, então trouxemos esse elemento para o protagonista, que esboça no caderno o que ele não consegue dizer ou encarar de frente.” Aos 31 anos, Graziosi prepara seu segundo projeto de longametragem –Tinnitus, escrito com Marco Dutra (diretor de Quando eu era vivo). O título faz referência ao zumbido que uma mergulhadora passa a escutar após sofrer um acidente. Assim como Obra, o longa enfoca a relação entre a cidade e o corpo, a partir de um ponto de vista pessoal, pontuado pelo terror psicológico. Esse recorte subjetivo vem sendo a marca da nova geração de diretores brasileiros da qual Graziosi faz parte. “Durante algum tempo, os artistas queriam falar das mazelas sociais e, dali, a coisa evoHistórias ocultas Monumento usa o som para revelar a história contada pelo Monumento à Bandeira, um dos símbolos da cidade de São Paulo; Saba é um retrato dos bisavós centenários do diretor a partir do espaço que ocupam, em um antigo edifício da capital paulista. luiu para a questão policial e do tráfico de drogas. Os novos realizadores estão abordando temas totalmente diferentes, trazendo narrativas e histórias particulares, ampliando um pouco o repertório do que o cinema brasileiro pode ter”, diz o diretor.

 

Mais notícias sobre o filme Obra
OBRA ganha Edital de Desempenho Artístico
OBRA COMPETE PELO PRÊMIO NETFLIX
Filmografia de Graziosi na Cinemateca Francesa
Obra no Festival de Chicago
Fotografia de OBRA é reverenciada
TV Carta Capital - OBRA em destaque
Crítica do Obra no site Papo de Cinema
OBRA na Cinemateca Francesa
"Obra" recebe crítica no Estadão
"Obra" no Festival do Rio
Crítica de "Obra" no site Omelete
"Obra" estreia no Tiff - Festival de Toronto
Obra: show homenageia ator e músico Marku Ribas
"Obra" na revista Variety
 
Endereço Av. Dr. Vieira de Carvalho, 192 / 101 -  República - CEP 01210-010 - São Paulo - Brasil Telefone +55 11 3031.5522  E-mail super@superfilmes.com.br