Português English
FILME: Obra
Crítica do Obra no site Papo de Cinema
14 de agosto de 2015

Crítica por William Silveira

 

O arquiteto João Carlos está envolvido no projeto de restauração de uma igreja. O discurso, que conheceremos aos poucos durante o longa, apresenta um jovem profissional empenhado em defender uma ética do passado. Não é à toa que o vemos mostrando aos seus alunos, logo nas cenas iniciais, a importância de um prédio histórico. A faceta pública do comportamento progressista, construída durante o primeiro ato – podemos substituir a arquitetura por uma dentre as milhares de causas que a sociedade exige hoje que se defenda para ser aceito -, percebe-se em conflito quando o mestre de obras encontra corpos enterrados no terreno que fora do avô do protagonista. A bondade não é apenas um discurso, mas uma virtude que não aceita comprometimento parcial. De um momento para o outro, o personagem se vê enredado entre a vontade – daquilo que quer realizar – e a culpa – do passado. A memória para a qual João tanto pede atenção e defende será a mesma que o apunhalará pelas costas.  

Estreia em longas de Gregorio Graziosi (dos curtas Mira e Monumento), com roteiro seu e de Paolo Gregori, Obra aposta na potência do visual e no peso da moral. No elenco, dois nomes importantes do cinema nacional concentram a atuação. Em vez de espalhar pelo roteiro inúmeros personagens, abrindo tramas secundárias, a escolha pelo foco e pela intimidade dramática são pontos altos.  O arquiteto Irandhir Santos enfrenta o mestre de obras Julio Andrade. A dupla é construída a parecer completamente distinta – social e moralmente. Irandhir é a classe alta, evidenciada desde o vestir vaidoso, em que o uso de sapatos sem meias denota o claro traço aristocrático, até a prática hedonista, em que  dormir com duas mulheres demonstra o prazer incontido daquele perdido nas próprias possibilidades. O personagem de Andrade, por sua vez, se dá pela descrição fácil e discrição. Ele aparece vestindo a roupa de trabalho. Quando em casa, está simples, e a presença da esposa e da filha transmitem a estabilidade necessária ao personagem. Se visualmente menor, é na indiscrição com que aborda o patrão, na acusação para que assuma a situação que se apresenta no terreno do avô, que o mestre de obras surge como gigante.

Enquanto antropologia da hipocrisia, Obra reflete as características do protagonista.  A vaidade estética com que Gregório apresenta o filme nos chega pelo ótimo trabalho de fotografia de André Brandão e a emulação extremamente competente de Fábio Baldo para o conturbado clima psicológico. Se em momentos o filme nos remete à incursões pela memória como a de O Ano Passado em Marienbad (Alain Resnais, 1961), o andamento nos leva para mais próximo, até Boa Sorte, Meu Amor (2012), a excelente estreia de Daniel Aragão (com agradecimento nos créditos). As similaridades são várias. Desde vestígios temáticos, como a relação com gerações anteriores e a presença de Christiana Ubach, até o projeto visual, em que os enquadramentos tendem ao emolduramento e os planos à geometria, bem como a quebra de ritmo, que acontece pelo desdoramento do tempo e a hipérbole do espaço. 

Rastrear a referência, porém, sinaliza nada mais do que o valor do diálogo estabelecido pelo cinema nacional. Pois Obra é, antes de tudo, um trabalho estritamente autônomo. Isso significa que as exigências dramáticas e a postura estética são dados, avançam e são resolvidos dentro da estrutura do filme. A advertência quanto ao futuro a qualquer custo e o questionamento quanto à extensão da culpa são alicerces da arquitetura de Graziosi. A forma de colocá-los em cena vem pela sensibilidade em adicionar pequenos movimentos simbólicos. Para os mortos no terreno do avô, está a paternidade latente de João; para a indiferença moral, está a dor física da hérnia. Se Obra é o construído; se vontade é o feito desde dentro; talvez o descompasso entre os dois surja da impossibilidade – pouco óbvia – de nos moldarmos alheios a tudo. A liberdade não figura isolada e pode não estar preparada para enfrentar o real – ainda quando sob escombros.

Link para o site: http://goo.gl/L4pH7a

Mais notícias sobre o filme Obra
OBRA ganha Edital de Desempenho Artístico
OBRA COMPETE PELO PRÊMIO NETFLIX
Filmografia de Graziosi na Cinemateca Francesa
Obra no Festival de Chicago
Fotografia de OBRA é reverenciada
O lançamento de OBRA no Correio Braziliense
TV Carta Capital - OBRA em destaque
OBRA na Cinemateca Francesa
"Obra" recebe crítica no Estadão
"Obra" no Festival do Rio
Crítica de "Obra" no site Omelete
"Obra" estreia no Tiff - Festival de Toronto
Obra: show homenageia ator e músico Marku Ribas
"Obra" na revista Variety
 
Endereço Av. Dr. Vieira de Carvalho, 192 / 101 -  República - CEP 01210-010 - São Paulo - Brasil Telefone +55 11 3031.5522  E-mail super@superfilmes.com.br